LOGO_final

Hospital Infantil, administrado por uma organização social, recebeu o repasse atrasado

O Hospital Infantil Jesser Amarante Faria em Joinville recebeu R$ 5 milhões do repasse atrasado por parte do Governo do Estado, na quinta (11). O dinheiro foi depositado na conta da O.S (organização social) Hospital Nossa Senhora das Graças, de Curitiba (PR), que administra a unidade. Faltam agora outros R$ 8,8 milhões referentes aos meses de outubro e novembro – os R$ 5,9 milhões de dezembro não entra na conta porque a parcela do mês ainda vai vencer.
“O processo está sendo encaminhado para solução nos próximos dias”, esclarece a nota enviada pela secretaria. Conforme a assessoria de imprensa do Infantil, a Secretaria Estadual de Saúde fez um acordo com a O.S para pagar em parcelas o repasse atrasado. Com isto a previsão da unidade é de que o atendimento volte ao normal, a partir desta próxima semana. Da última segunda (7) até sexta (11) as consultas eletivas agendadas com especialistas, além de pequenos procedimentos cirúrgicos, foram canceladas. Todos os casos sem urgência.
A quantia mensal enviada para custear despesas no Hospital Infantil está atrasada, devido a problemas no orçamento da secretaria. Ao contrário do que acontece no Hospital Bethesda, de Pirabeiraba. Lá, explica o órgão, existe um atraso no pagamento das cirurgias eletivas desde julho. O Estado aguarda a liberação de R$ 6,2 milhões aprovados em portaria do Ministério da Saúde para quitar os R$ 286 mil de débito com a unidade.
O diretor Hilário Dalmann revela que o valor poderia ser ainda maior, não fosse a Secretaria Municipal de Saúde. “O Governo não nos repassou nestes últimos meses R$ 500 mil. Foi a Secretaria Municipal de Saúde que antecipou o repasse de julho e agosto”, diz. Ele ainda detalha que o hospital precisou fazer um empréstimo para conseguir pagar o salário de funcionários e médicos.
Cirurgias eletivas estão canceladas
No Bethesda, como em todas as outras redes privadas e filantrópicas de Santa Catarina, as cirurgias eletivas referentes aos mutirões seguem canceladas por tempo indeterminado. A decisão foi tomada durante reunião dos representantes da categoria, em função do atraso no pagamento. De acordo com a Federação das Casas e Hospitais Filantrópicos, presidida por Dalmann, a Secretaria Estadual de Saúde não repassa os valores desde julho. O montante chega a R$ 15 milhões, mais do dobro do liberado na portaria do Ministério.
“Não tem como continuar realizando as cirurgias eletivas sem dinheiro para custear os materiais, medicamentos e o trabalho dos médicos”. A entidade tem a informação de que o repasse das verbas atrasadas deve ser feito entre o Natal e Ano Novo. Até lá, não serão agendados novos atendimentos na rede, incluindo o Bethesda. Apenas as cirurgias marcadas até o último dia 6 estão mantidas.
Um documento foi enviado pelos presidentes da Associação e Federação dos Hospitais de Santa Catarina e da Federação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos à secretária de Saúde, Tânia Eberhart, com objetivo de agilizar o repasse das verbas. A Secretaria Municipal de Saúde em Joinville garante estar preocupada com a situação, por isso também cobra do Estado rapidez em regularizar a situação.
A secretária Larissa Brandão reforça que o Estado tem a obrigação de cumprir com os repasses destinados à Saúde. http://www.ndonline.com.br/joinville/noticias/220458-hospital-infantil-em-joinville-recebe-r-5-milhoes-de-repasse-atrasado.html 

Torne-se um associado da FEHOSC

Você também pode ser um associado da Federação e usufruir das muitas vantagens e benefícios em assessoria e atuação técnica