Federação das Santas Casas, Hospitais e Entidades Filantrópicas do Estado de Santa Catarina

Lula Sanciona a Lei da Filantropia com vetos

Nesta segunda-feira (30 de novembro) a edição do Diário Oficial da União traz a publicação da nova Lei da Filantropia, sancionada pelo Presidente da República na última sexta-feira com vários vetos a dispositivos do artigos 1º, 9º, 23, 37 e 39.

A partir de agora as solicitações deverão ser dirigidas aos ministérios da Saúde, Educação ou do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, conforme a área de  atuação da entidade

Segue em anexo a íntegra do novo marco regulatório da filantropia.

Comentando:

1- o veto do parágrafo único do art. 1º não afeta as entidades nossas associadas, visto tratar de fundações públicas;

2- do Art. 8º foi vetado o parágrafo único que continha a seguinte redação:

Parágrafo único. Para os fins deste artigo, a entidade deverá comprovar o percentual de aplicação em gratuidade sobre a receita bruta proveniente da venda de serviços.

Este veto favorece, em muito, nossas instituições. A CMB havia pleiteado que a comprovação da gratuidade não viesse a incidir sobre a receita bruta e sim sobre a receita de prestação de serviços, excluídas aquelas advindas do SUS.

3- o Art. 9º foi vetado e estava assim redigido:

Art. 9º O valor aplicado em gratuidade na área de saúde, quando não comprovado por meio de registro contábil específico e informado de acordo com o disposto no art. 5º, será obtido mediante a valoração dos procedimentos realizados com base nas tabelas de pagamentos do SUS.

Aqui também constamos um inestimável avanço extinguindo-se a utilização das tabelas de pagamentos do SUS para a valoração da gratuidade prestada.

4- o veto ao Art. 23 expressa uma possível perda. Entretanto, as entidades certificadas que observarem rigorosamente o prazo de validade não terão qualquer prejuízo com este veto.

Art. 23. Desde que devidamente justificado, os requerimentos de renovação protocolizados em até 6 (seis) meses após o termo final da validade do certificado anterior, se deferido poderão ter efeito retroativo ao citado termo final, conforme definido em regulamento.

5- o Art. 37 foi também motivo de veto e retirou da Lei o cancelamento expresso da certificação, se constatada alguma irregularidade. Representa um grande avanço, pois a simples inobservância de alguma obrigação poderia levar à perda.

Art. 37. Constatada a qualquer tempo alguma irregularidade, considerar-se-á cancelada a certificação da entidade desde a data de lavratura da ocorrência da infração, sem prejuízo da exigibilidade do crédito tributário e das demais sanções previstas em lei.

6- o veto do Art. 39 atingiu tão somente uma instituição. Veja a redação aprovada na Câmara e no Senado:

Art. 40. As entidades da área de saúde certificadas até o dia imediatamente anterior ao da publicação desta Lei que prestam serviços assistenciais de saúde não remunerados pelo SUS a trabalhadores ativos e inativos e respectivos dependentes econômicos, decorrentes do estabelecido em Norma Coletiva de Trabalho, desde que, simultaneamente, destinem, no mínimo, 20% (vinte por cento) do valor total das isenções de suas contribuições sociais em serviços, com universalidade de atendimento, a beneficiários do sistema Único de Saúde – SUS, mediante pacto do gestor do local, terão concedidas a renovação, mediante regulamento.

José Luiz Spigolon
Superintendente da CMB

Torne-se um associado da FEHOSC

Você também pode ser um associado da Federação e usufruir das muitas vantagens e benefícios em assessoria e atuação técnica